A PHP Error was encountered

Severity: 8192

Message: Function split() is deprecated

Filename: index/noticia_lib.php

Line Number: 190

| [KarenKoltrane] Radio
Conheça nosso novo site! Clique aqui.

Michael Jackson sofreu risco de assassinato, diz relatório do FBI

Cantor Michael Jackson morreu em sua residência neste ano
Cantor Michael Jackson morreu em sua residência neste ano

O FBI (Polícia Federal americana) apresentou na terça-feira parte do dossiê sobre as acusações de abuso de menores contra o cantor Michael Jackson, que morreu em junho.

Atendendo a um pedido da imprensa americana, as 333 páginas divulgadas detalham o trabalho do FBI em duas acusações contra o cantor, de 1993 e 2004. No material há citações sobre ameaças de assassinato.
Sobre o primeiro caso, foi divulgado o testemunho de uma mulher de Toronto que afirmava ter viajado no mesmo trem que o artista.

Segundo ela, Michael fazia o percurso de Chicago ao Grand Canyon acompanhado por Jordan Chandler, menino que supostamente revelou ao pai supostos abusos por parte do "rei do pop".

Citada pelo site "The Hollywood Reporter", a mulher disse ao FBI que os dois pareciam ter uma relação extremamente próxima e que estava preocupada com os barulhos que ouvia do interior da cabine onde Michael viajava com o garoto, então com 12 anos.

Jordan teria recebido aproximadamente US$ 20 milhões do cantor para que não testemunhasse contra ele no processo.

Na acusação de 2004, por pedofilia, o FBI informou que nada foi encontrado nos computadores do cantor que pudesse incriminá-lo.

Assassinato

Jackson foi declarado inocente de dez acusações, sendo quatro por abusar sexualmente de menores.

Mas a maior parte do arquivo revelado tem como assunto um relatório de 200 páginas, feito em 1992, sobre um homem que ameaçava matar o então presidente americano George H.W. Bush e cometer outros assassinatos em série.

O suspeito, que acabou sendo detido, tinha o cantor como um de seus alvos.

Os documentos também incluem provas de um complô para extorquir o cantor em 1992 e investigações referentes a um caso de pornografia infantil, no qual o artista também não foi incriminado.

Michael Jackson morreu em junho, aos 50 anos, em circunstâncias qualificadas na autópsia como "homicídio".

A polícia trabalha com a hipótese de homicídio involuntário cometido pelo médico particular do cantor, Conrad Murray, presente no momento de sua morte.

O conteúdo revelado ontem não inclui material sobre essa investigação.


Veja também:



social: